sábado, 1 de dezembro de 2012

Mapeando meu desalinho 2

Durante a volta pra casa confesso que levemente decepcionada com o fato de ter perdido horas continuei divagando , conjecturando e mapeando meus acasos. Percebi que durante meu primeiro mapeamento sublinhei algumas linhas. O mais estranho é que se hoje eu fosse sublinhar não seriam as mesmas. Certo que não era a mesma Shana que estava lendo.O fato de se possuir muitas dentro de si as vezes faz com que agente acabe se perdendo...Gosto disso, conhecer algumas de mim, me despedir de outras, chamar pra que venham novas, confesso que este é um jogo interessante.Se Vivaldi me conhecesse talvez teria feito quatro estações para as muitas de mim.Talvez Norman Lebrech tenha uma explicação para isso. Certo que ele teria, e uma tese completa, com todos os adendo necessários. Estão aí os profissionais fazendo  o que deve ser feito, errando nas suas malfadadas analogias e ainda assim sendo 'os caras'. Tem que trabalhar muito pra ser um cara.Olho pela janela do ônibus que a duras pencas tenta de toda forma resistir a idade e me levar sã e salva pra casa. Vejo belas árvores, pensei que as gostaria de ver de cima, sempre prefiro as copas aos troncos. Baixo um pouco a vista e vejo um possível morador de rua pedindo comida a uma mulher. Junto dele haviam muitas cousas, suas cousas, objetos pessoais e o que mais era importante pra ele. Dentre muitas cousas notei que ele carregava consigo um Joystick. Rapidamente pensei em saltar do buss e ir negociar com ele. Comida tenho em casa, o joystick que quero não. Mas nessa hora me liguei em duas cousas, primeira, não carrego comida comigo, segunda, o ônibus já estava bastante longe do cara. E ele tinha o joy, eu não.Notei que uma das fadinhas de momentos antes era minha colega de viagem,já estava com a maquiagem borrada, mas ainda assim era uma bela fadinha. Paramos em frente a uma universidade particular que fica no meio do caminho entre a FURG e a minha casa. Todos os estudantes ali na frente, vivendo a expectativa das férias. E eu não, entraremos janeiro a dentro verão afora em aula por conta da greve. A fada desceu ali, entrou no prédio da universidade.E senti algo bem estranho, ruim. Eu, que secretamente sempre me julguei superior  por estudar em uma federal estava agora com inveja de quem estuda na particular. E eles também tinham uma fada. Isso é bom, agente nunca é melhor, mesmo que pense ser, choque de realidade mais uma vez aí, mostrando que não existe superioridade, bem feito pra mim,arrogante, prepotente, estuda no verão.

Nenhum comentário: