sábado, 24 de novembro de 2012

Exercitando a velha óptica sartreana

Não quero ficar aqui tecendo horas a fio sobre o que penso ( e o quanto viajo) quando leio esse cara fodástico. Ta mentira,eu até queria,mas vai ficar muito chato,ninguém  vai ler( nem sei se vão ler este) e vai ficar parecendo muita cheiração de cu. Fato é que muito me agrada aquele lance de liberdade do cara,o modo com que ele faz com que agente esqueça o destino. Hoje eu andava meio maguary e tal com uns lances que rolaram meio antagônicos. Pensei que poderia ser o destino. A bosta do destino fudendo tudo mais uma vez. Bhã, devo ter feito várias merdas então pro meu destino só ser assim,. meio fraquinho, ou seria só isso que ele havia reservado pra mim. Ahh, quase deprimi pensando que estava fadada a um destino medíocre, fraco e com poucas perspectivas... Foi mais ou menos nessa hora que eu lembrei do Sartre, esse cara que é tri loucaço e que me diz umas cousas bem verdadeiras, sou fã dele as veras. Lembrei da òtica sartreana que até foi cantada claro, pelo meu amado Vitor Ramil, semelhante atrai semelhante mesmo rsrsrsr...Então aos poucos fui lembrando de que não acredito em destino, acredito em Sartre,acredito que somos livres e somos totalmente livres, eu me projeto, eu me escolho, eu me faço existir. Não tem nada pré determinado na minha condição essencial , eu sou eu Shana e sou quem me determina...Vou seguir exercitando a tua óptica velho camarada.  Bahh, valeu aí Sartre fodão!!!

2 comentários:

Luciano disse...

Eu vou ler, sempre, tudo o que for escrito por ti passa certo por mim. E tu estás certa, Sartre era foda, nunca vi alguém falar dele assim, e li muito sobre a óptica sartreana, concordo contigo, há mais a ser discutido, sugiro que tu ligues teu celular e aceite a ligação que te faço, isso me ajuda a me constituir como ser livre!

Luciano disse...

Gosto muito do teu jeito de escrever, é inteligente e bem humorado, louco e sagaz como tu!