segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Maldita ocitocina

Que vens com teus ares poéticos . Tão falsamente requintados mas que me convence , não precisaria muito para tal. Que vens com teus olhares, falares e cantares, com teus trejeitos e malfadados trechos. E vens, com teus sinuosos andares..Ahh e vens, por que vens? Afinal, qual é mesmo o papel que interpretas nos dias atuais desse espetáculo? Quais são as canções indicadas para o brilhante momento de fama além dos quinze, tristes e medíocres quinze minutos infames? E o que se faz quando acaba o espetáculo? Que vens com tuas lamúrias, doçuras, e fúrias. Que vens com teus mares com tuas marés que vens com todas as tuas fés.E vens com teus trágicos amados sofridos amores passados, vens com teus calos, teus colos, teus solos.Mas que tanto tu vens com teus tempos, teus ventos e teus tormentos?Que tanto cargas d'água tu vens, com teus argumentos, pensamentos em piores momentos.Mas não te enganes com meus humores, não te assuste com meus amores, não te espantes com os rumores, continue a vir, venha sempre, e se quiseres ficar...

domingo, 25 de novembro de 2012

Hoje nasci louca, nasci bizarra e nasci pequena. Pensei no espaço e em seus espaços, em seus quadrantes e em seus quadrados. Em seus rumores e em meus amores. lembrei das nebulosas fantasmas, claro que já devo ter falado delas aqui. Mas claro, vou repetir. Divaguei em devaneios soturnos, em devaneios noturnos em filmes antigos, que talvez eu nem tenha assistido, sequer acredito que estes tenham existido. Queria tanto um telescópio. Como deveria ser agradável a companhia das estrelas, das nebulosas, acompanhar uma super nova, ver a lua, sentir a grandeza. Queria ter um agora, só a companhia do Luck strike não está sendo suficientemente agradável. Da janela só vejo o que não me interessa, das muitas janelas que este que uso tem pra me oferecer só consigo prestar atenção em uma,  e é justamente a que não quero. O medo vence qualquer barreira, vence qualquer desejo. e agora fico com meu medo, fico pequena, queria a grandeza do espaço, queria a nebulosa fantasma dançarina louca dos céus negros da noite que brilha louca pela vida, que paira doida por sobre a minha cabeça triste....fazendo minhas as palavras do Coringa, o meu favorito bom e velho (porém menos badalado) coringa. Quem nunca dançou com demônios a luz do luar? Bem eu já dancei, e ainda danço, mas, não o faço tão linda e loucamente quanto elas, as nebulosas fantasmas. Hoje queria tanto ser uma delas, elas que tanto me fascinam, que tanto me intrigam, vou pegar um vinho, pois nebulosas fantasmas pedem vinho.


Crédito da imagem: T.A. Rector/Universidade do Alasca, Anchorage, H. Schweiker/WIYN e NOAO/AURA/NSF http://blogs.discoverybrasil.uol.com.br/noticias/espa%C3%A7o/


Apareces

Então , absolutamente do nada, sem aviso ,
 sem sorriso, sem prólogo
 e sem motivo tu apareces na minha vida.
 Com as tuas cores, com as tua falas,
 e com as tuas caras.
Com as tuas veias, com as tuas velas.
Apareces com as tuas vidas,
Com as tuas virdras.
Sem as tuas rimas,
Gosto do fato de teres aparecido. 
Não sei exatamente a função que exerces
Inegável que com algumas das muitas de mim
Tu mexes.
Curto os teus olhos
E o teu olhar.
Curto a tua pele
e o teu suor.

Canção

Melancolia que predomina a dor
Em longas sinfonias
De loucuras e amor.

De um sonho
Que nunca é sonhado
Que não é precioso
E nunca entoado.

Entre acordes "inimaginários"
De belos violinos
Que nunca são tocados.

Notas que não foram desenhadas
Para amigas as milongas
Tão fáceis dedilhadas.

E dança-se num sonho
Entre as nuvens e a lama.
Enquanto dormem os acordes
Nem sonhando com a fama.






sábado, 24 de novembro de 2012

Exercitando a velha óptica sartreana

Não quero ficar aqui tecendo horas a fio sobre o que penso ( e o quanto viajo) quando leio esse cara fodástico. Ta mentira,eu até queria,mas vai ficar muito chato,ninguém  vai ler( nem sei se vão ler este) e vai ficar parecendo muita cheiração de cu. Fato é que muito me agrada aquele lance de liberdade do cara,o modo com que ele faz com que agente esqueça o destino. Hoje eu andava meio maguary e tal com uns lances que rolaram meio antagônicos. Pensei que poderia ser o destino. A bosta do destino fudendo tudo mais uma vez. Bhã, devo ter feito várias merdas então pro meu destino só ser assim,. meio fraquinho, ou seria só isso que ele havia reservado pra mim. Ahh, quase deprimi pensando que estava fadada a um destino medíocre, fraco e com poucas perspectivas... Foi mais ou menos nessa hora que eu lembrei do Sartre, esse cara que é tri loucaço e que me diz umas cousas bem verdadeiras, sou fã dele as veras. Lembrei da òtica sartreana que até foi cantada claro, pelo meu amado Vitor Ramil, semelhante atrai semelhante mesmo rsrsrsr...Então aos poucos fui lembrando de que não acredito em destino, acredito em Sartre,acredito que somos livres e somos totalmente livres, eu me projeto, eu me escolho, eu me faço existir. Não tem nada pré determinado na minha condição essencial , eu sou eu Shana e sou quem me determina...Vou seguir exercitando a tua óptica velho camarada.  Bahh, valeu aí Sartre fodão!!!

sábado, 10 de novembro de 2012

Nunca mais vou ouvir Jouquin no carro ;)


Nunca mais vou ouvir Jouquin no carro, é isso mesmo. É impossível fazer isso sem lembrar do teu sorriso, da tua empolgação, da tua cara engraçada de surpresa quando realmente tocou Jouquin no carro. Isso pode parecer uma coisa costumeira, corriqueira e tenho certeza que passa totalmente despercebida por um monte de gente. Mas pra mim não adianta, isso é e sempre será cousa tua, marca tua, feito teu, pra mim isso será sempre tu. O engraçado é que chego a ver a tua cara quando ouço, e tem que ser no rádio, incrível como ainda toca, e sempre toca...E deus do céu, não tem como não estigmatizar o fato, por que vem toda a cena fatídica(do dia em que mais nada de importante aconteceu a não ser ouvir Jouquin no carro). Não me agrada a ideia de ouvir Jouquin em outros carros, com outras pessoas, me parece traição, não me sinto à vontade com isso. Então, proponho um acordo. Eu não ouço mais Jouquin no carro e tu nunca mais assiste tv com volume no final cinco, ok?! Só pra tu saberes, se tu assistir tv com volume no final cinco eu vou considerar uma verdadeira afronta, me sentirei traída e não haverá perdão! Estamos entendidos? Pelo bem da nossa relação, que muito embora já não exista mais ainda existe sim.

Programei esta postagem para ser exibida as 03:46



Espero que entendas...
Duvido que entendas rsrsrsrs...

domingo, 4 de novembro de 2012

Homem ideal


Falávamos sobre homens, minha amiga e eu. Não é fácil lidar com homens, depois ainda somos obrigadas a ouvir aquela velha ladainha de que é difícil entender as mulheres e tal. Aff quem foi que disse que tem que entender? Não precisa entender, basta aceitar. Então lá pelas tantas( e foram tantas mesmo) a guria me faz a pergunta. É isso mesmo, ela fez “a pergunta”. Como deve ser então o cara ideal? Deus , essa pergunta é tão tensa que agente fica até sem reação. Devo ter feito uma cara tão bizarra que ela até mudou a pergunta. Mudou, mas não aliviou tanto. A pergunta foi a seguinte: O que tem que ter um cara pra ser o cara? Daí eu comecei a pensar. Porra, “o cara”? Bhã, pro cara ser “o cara” ele tem que ser como eu, ou seja, bizarro. Já disse e volto a repetir, gente normal não me excita. Então comecei com a lista. O cara tem que ser obviamente mais alto do que eu( por que se não for coitado rsrsrs), não pode ser gordo demais nem magro demais, mas se for bombado, que seja parelho, aquele lance meio triangular não me agrada nadinha. Cabelo, bom o cabelo é um troço difícil pra mim, por que não curto cabelo normal, até pode ser curto(esses mais comuns) mas que não seja normal(também não estou falando de cousas neimares de ser e similares, isso é deveras broxante), na realidade o que mais me atrai com relação a cabelo em um cara são os extremos, ou cabelo comprido, cabelão afu mesmo, ou cabelo algum, carecas, gosto dos carecas, curto o lance de cabeças brancas, pálidas e sem nada, brilhando ao sol... Tatuagens, isso é de estrema importância. Tem que ter tatoos, braços tatuados são um atrativo a mais certamente, na real não curto caras sem tatoo. Daí fiz uma lista gigante e percebi que minha amiga estava ficando com cara de louca, parei e perguntei o que houve? Ela estava achando exagerada a lista e perguntou pela personalidade. Mas eu já iria chegar lá, depois que eu dissese(falares riograndinos) que gosto de panturrilhas, gosto de brincos, não curto muito esse lance de que os caras não se depilam e definitivamente detesto caras  fazem a barba todos os dias, a barba, bem feita e desenhada é o maior charme masculino, não gosto do rosto limpinho de criança, se quisesse um assim pegava um adolescente, gosto de homem não de guri, e isso tem que ser bem claro e evidente. Ok falando de personalidade, o cara pra ser “o cara” tem que ser um tanto excêntrico , deve saber a diferença entre raiva e tpm, deve saber que nunca vai me entender e eu nem quero isso, deve ser semelhante a mim. É eu sei que ser semelhante a mim é algo bem estranho, mas ele deve ser, fato. Tem que gostar de rock e abominar rock nacional, tem que saber a diferença entre rio grande do sul e brasil, logo tem que gostar das bandas gaúchas. Tem que saber fazer comida boa e chimarrão. Tem que gostar, entender e comprar vinho. Tem que entender de cinema e gostar dos mesmos filmes que eu. Tem que curtir uma polar e se fumar cigarro mentolado melhor ainda. A lista seguiu enorme e tal, aí minha amiga(que a essa altura estava com a cara do gato da Alice ) me faz “a pergunta”:
E se ele não for tudo isso, mas for muito, digo muito, repito muito bom de cama, ele é “o cara”? Fiquei em silêncio.