sábado, 15 de setembro de 2012

I like a dark paradise




Como de costume acordei tarde, muito além do meio dia, mas como o sol desta época pouco de bom me traz nem dou bola. Para minha surpresa ao acordar e abrir a janela dou de cara com um dia lindo, o dia de hoje. Dia de belas cores, tons de cinza e azul que se mesclam formando luzes e sobras, e penumbras que muito me agradam, trovoadas colorindo o céu em tons de rosa e lilás que raramente aparecem, laranja entre as nuvens, poucos dias são tão ricos em cores. E os cheiros, dias assim trazem consigo o cheiro da terra úmida, da terra viva, é o cheiro da força, o que faz lembrar que o que está embaixo é como o que está no alto e o que está no alto é exatamente como o que está embaixo! Dias como o de hoje despertam o que há de melhor em mim, despertam paz, alegria e vontade de sair pra rua. E os sons, dias como o de hoje são repletos de sons, a chuva que começa a cair fina e aos poucos vai ganhando força até que já não se houve mais o barulho da música de gosto duvidoso do vizinho (santa chuva). 

Hoje o bom humor se mistura com a melancolia, e isso estranhamente me faz sentir bem, gosto de curtir minha própria melancolia, lembro das tardes de outono que nunca vivi mas gostaria de ter vivido, de livros cinzas que li. Gosto de livros cinza, mas não sei exatamente como explicar o que eles são, ou se entende ou não, livros cinza, é isso. Já está chegando a noite, e muito me agradam essas noites, são lindas e serenas, e exatamente neste momento ouço um blues tocado pelo Will, aqui do meu lado. Poucas cousas combinam tanto com este anoitecer como este blues do Will.
Fotos Will Teodoro Belmont Coiote.

Nenhum comentário: