sábado, 17 de setembro de 2011

Do platônico



Como já dizia HG¹ , que é o cara, ”não eu não passava por aqui por acaso, não eu não olhava pra você por acaso”.
Sábias ´palavras as do Humberto. Nunca é por acaso, nunca é do nada. Se agente olha, se agente passa na frente, se agente pergunta de, sempre é por que há um interesse.
Não sei viver amores platônicos, não sei do que se tratam, acho por demais poéticos e antigos, não ,e imagino amando alguém em silêncio, ou sofrendo ores que ninguém nunca sentiu.
Sou demasiadamente carnal neste aspecto e não posso crer que exista hoje em dia ainda o platônico!!
Ai que ódio ² do platônico!
E fico pensando, pode haver um tipo de cousa menos amor, mais paixão, mais fogo, será que há paixão platônica??
Ou será que agente julga platônico apenas o desejo momentâneo?
Como distinguir o que é um mero desejo momentâneo de uma paixão platônica?
Será que a pessoa amada platonicamente não se da conta?
Na verdade tenho muitas teorias a esse respeito, mas momentaneamente fico com a de que seja um charminho, o famoso charminho de quem tem alguém que ame platonicamente.
Gosto dessa palavra, da sonoridade, não sei se gosto do seu sentido, significado(pra quem gosta de discutir semântica).
Ficar conjecturando acerca do que é ou não paixão é pano pra manga e possíveis cenas dos próximos capítulos. Quero agora entender o platônico e suas derivações, paixão, amor, devoção...
Agente conhece bem o platônico. Obrigada AA ³
Mas confesso que é tudo muito estranho, não sei se me expresso bem, possivelmente não.
Viver platonicamente é foda!


¹ Humberto Gessinger” Por Acaso”
² ôdio- palavra semelhante a cousas, cousas da shana, significa ódio, mas tem que ser dita com o ô pra ficar com a minha cara...
³ Manuel Antônio Álvares de Azevedo ( o tedioso).         

Um comentário:

Rafa Laza disse...

Eu acho que tu me ôdia, nem me liga mais...
é foda essa HG, vou te dizer
agora tive que rir da nota roxinha,³ Manuel Antônio Álvares de Azevedo ( o tedioso). PURAVERDADE