sábado, 21 de maio de 2011

O lado bom

Como eu havia dito, tudo tem um lado bom, e com a minha melancólica solidão não é diferente.
É claro que quando se adquire o hábito de não dormir a noite algumas cousas se tormnam diferentes, as noites são mais pesadas e tenras, a noite por si só tem toda uma carga de melancolia, uma carga de estranheza, uma carga de noite!
Existe um motivo pelo qual eu escolhi as noites para escrever, para ler, para ouvir e fazer música, existem muitas mas a melhor delas é o ar soturno, os ruídos, as corujas, as estrelas, a lua, e também o fato de que durante as madrugadas raramente toca o telefone ou alguém bate na porta. São minhas, as madrugadas são somente minhas e isso ninguém pode me tirar. Uma vez lendo um livro que contava a história de Paracelso eu ri muito ao me deparar com um longo período que nada constava, e dizia assim: neste trecho nada temos a dizer, pois Paracelso saiu, viajou sabe-se pra onde, foi viver um momento só seu. Então agora eu compreendo Paracelso, ele fez o que todos deveríamos fazer , viver nosso momento. Como não posso me ausentar (não posso por que não quero) eu vivo meus momentos na madrugada. E isso é muito bom, sinto-me bem com essas noites só minhas. Claro que em certos momentos antes das altas horas mostrarem sua face o telefone toca e em alguns momentos sinto-me tentada a atender, só pra ver quem está do outro lado. não mais atendo, pois corro o risco de falar com quem me traria angústia. Então sento-me em mina poltrona, acomodo-me,leio algo que seja de meu agrado, e como passam rápido as horas quando se le algo muito bom, as horas e as páginas se vão em um piscar de olhos.
gosto de olhar a rua, minha rua fica tão deserta durante a noite, tão deserta que chega a ser até bonita. Em alguns momentos mia um gato e passa correndo tão rápido que se não ouvir seu miado sequer saberia que é um gato.
tem dias que passam casais, talvez retornando de seus momentos, mas acho engraçado a maneira com que se portam na minha rua, são forasteiros, desconhecidos, gente que não mora na minha rua. Aí eu me qustiono, não sei se não moram, não conheço todos que vivem nesta rua, pois só a olho durante a noite quando todos já estão entregues a Morpheu ou dando atenção a suas esposas e maridos, não os conheço, não os vejo durante o dia, como posso saber quem são? Para mim todos são desconhecidos, todos são estranhos...
Dia desses recebi um mail de uma amiga muito amada que por uma ironia ridícula dessa vida mora muito afastada de mim. Neste mais ela dizia estar passando por um momento de dificuldade, de tristeza e precisava de amparo, percebi isso por suas palavras que eram carregadas de sentimentos. Essa amiga estava passando por um daqueles momentos que não deveriam existir, aqueles que pensamos então por que estamos vivos.Perdeu seu grande amor, e elas ficavam lindas juntas, em fim, agora não estão mais, isso mexeu tanto comigo, tanto por eu estra distante e nada poder fazer , mas penso, se eu estivesse perto, o que de concreto eu faria? Enfim, esta amiga disse que agora tem tempo para se conhecer melhor, agora tem tempo para si, e eu pensei, como paracelso, e como eu nams minhas madrugadas não dormidas.
A que conclusão eu chego, bem na verdade a nenhuma, mas penso que todos deveríamos ver a solidão como um momento só nosso, como um momento de conhecimento, como um momento de paz, é isso que eu procuro fazer, e acredito que nada, absolutamente nada vale a nossa paz.
Tenho um amigo, grande amigo esse que entende muito de solidão. Entende e lida muito bem com isso, é claro que também ele como todos nós temos alguns momentos decadentes, mas no geral o que eu percebo é que ele lida muito bem com a solidão, e eu o admiro muito. Um dia ele me disse que quando agente fica sozinho agente precisa ter em mente muito claro o que de verdade se quer, para que não acabemos por nos atirar nos braços de qualquer pessoa, apenas para dizer que não estamos só, diz ele que devemos agir de forma correta e esperar, viver a vida, seguir em frente. Ele está certo, não podemos nos desesperar e acabar procurando abrigo em braços errados, a solidão ajuda a pensar.
O que penso é que mais vale passar os momentos de solidão sozinhos do que passar os momentos de solidão ao lado de alguém, e eu muito fiz isso, muito tempo estive sozinha com alguém do lado, e isso sim me parece decadente.
Gosto de curtir a minha solidão, e quando falo isso não estou fazendo apologia alguma, tão pouco amargando minha solterice, estou apenas dizendo o quanto é importante agente ter tempo para assim como Paracelso viver um momento só nosso.

2 comentários:

leone disse...

ta, o lado bom é maior que o ruim, e isso já é uma coisa 9cousa) desculpa boa, mas eu me identifico mais com o ruim, o soturno e aquele que tu ouve led.

leone disse...

Eu também li o livro de paracelso,e muita coisa (cousa desculpa)referente a paracelso, acho que viver nosso momento é primordial.